domingo, março 8

Nas noites selvagens

                            
                                                   Para Érika Furacão
               
                               I

              Nas noites selvagens
       quando a lua jorra suas lanças luminosas
 poetas levianamente procuram prazer
                     nas esquinas mais sórdidas


                               II

           
             Qualquer absinto sacia os lábios sedentos
   de quem vasculha nos recantos íntimos da alma
                           algum vestígio de algo que se perdeu
             na memória vã de um sonho noturno


                              III
   

 Verdadeiramente as noites despertam
                         nossos desejos mais infames
                 nossos anseios mais vertiginosos
                                  nossas carências mais lúgubres
                             que encontram asilo em cabarés libidinosos


                               IV


         Nenhuma rua escura poderá esconder
                   segredos por muito tempo
          Nenhuma rua escura poderá ocultar
                    crimes não desvendados
     somente ruas trafegadas por poetas
          transpiram à noite libertinagem e volúpia


                              V


                     Vamos poetas saciar nestas noites selvagens
        nossa fome de rebeldia
               nossa sede de transgressão
      porque nada nos limita e prende
                     exceto o colo aconchegante de uma prostituta