sábado, agosto 30

Eu era um Eraserhead juvenil

                    
                        Eu era um Eraserhead juvenil
                                           vivia na penumbra
                 escondido da multidão
                                             que seguia diariamente para o abismo
                               Alimentava-me de livros
               mastigava páginas e páginas
                                            Minha predileção era por livros de poesia
                                   pois tinham mais sabor
                         Oh Quantos livros eu saboreei dia & noite?!
                                                      Minha fome era intermitente
                                                                                              era uma gula insana

                       Eu era um Eraserhead juvenil
                                                      Simplesmente eu não gostava das pessoas
                                          e elas não gostavam de mim
                                 Eu preferia mais uma biblioteca
                                                          do que uma simples companhia
                                         Eu era tão tímido
                                                   na verdade tão esquisito
                      chamavam-me de gótico
                                            Não me importava
                                                                           eu até gostava
                                      Eu vivia no Condado de Yoknapatawpha
                                                                   e sonhava em ser o Príncipe Míchkin
                                             quando eu era um Eraserhead juvenil

quarta-feira, agosto 27

DISCRETO OLHAR



Por Michael Delacroix

Se ao meu lado
                         Sexo e sons
Um bater de coxas na contraluz e esse ardor nos meus sentidos
Pra que teu partir
    Permita-me mais emoções
Deixa que meus olhos
                                         Em tuas curvas
                              Tomem tantos rumos
E se decerto meu barco
                                      Em teu porto não atracares
Devolverei assim
                                      Um suspiro de outrora
Que será de lábios e luas
E um mero apelo sempre haverá
                  De garotos que em esquinas que se prezem

Uivam por prazer.

terça-feira, agosto 26

Cicatrizes

                 
                       Ouço teus gritos em agonizo
                                               que parecem giletes em desfiladeiros
                                   pássaro vertiginoso
                                                                   em plumas exóticas
                                              cujas cores sensuais me enlouquecem

                 Teus gemidos mudos
                                                   ressoam na noite
                                           entre colchas e travesseiros
                                                          entre desejos e cinzeiros
           Na janela aberta o vento penetra
                                                           silenciosamente em abandono
                    deixando um rastro de estrelas suicidas

                                      Fecho os olhos
     a escuridão se difunde
                            insanamente pelo quarto
                                              junto com teu perfume
             teu cheiro
          
Enquanto tuas unhas vis
                               me dilaceram selvagemente
                 os lobos da noite uivam
                                        para a lua melancólica

                                              Neste instante        
                                                      meu corpo em queda
            encontra um precipício adequado
                                               na fenda entre tuas pernas
                                                                    Não há obstáculos
                                                                                   apenas paredes imóveis
                                        com quadros surrealistas

                          Dentro desta noite sonâmbula
                                                        ecoam gritos & sussurros
               enquanto nas minhas costas
                                                 somente há novas feridas
                            para velhas cicatrizes

* A pintura acima é de Ismael Nery.

sexta-feira, agosto 22

Avalanche

Sinto-me desfalecer
                     diante de tua oração
      que me embriaga em pensamentos turvos
                                                             e tudo silencia...
                          
                                  Agora sinto meu coração em disparada
                                                     letargia fatal
                                                                          que me encarcera
                                                                 e me cativa
                                                neste quarto ao lusco-fusco
         
                         O vinho já acabou
                                                             mas ainda saboreio em meus lábios
                                         o gosto de veludo
                                                                       o gosto do anoitecer

                                                          ... e nesta hora tão sutil
                                                                       em que a noite brota radiante
                             você em joelhos no chão
declama mais que um poema
                                                  Cerimônia noturna
                                                                             para corujas e pirilampos
                               
                                 Reparo nos quadros na parede
                                                          que não me dizem nada
              significado por demais obtuso
                                     Prevejo somente a avalanche
                                                      escorrendo pelo teu corpo
                                           perfeita consumação
                                                                        para uma noite tão frágil

domingo, agosto 17

Albatroz

                         Gemidos quentes
                                   nos meus ouvidos
                despertam uma pantera lívida   
                                              germinam sensações selvagens
                          e dissipam minhas dores mais ínfimas
           

                    Diante do espelho manchado
                                     vejo movimentos performáticos
                           passo a passo na escuridão
                                                                 que oculta desejos e cinzeiros
A porta cerrada
                                A boca molhada
                                                                  Uma vagina desperta
                um instinto inesperado
                                                     que libera forte prazer
                            tão jactante como um vulcão
                                                       recém-adormecido de uma cama rochosa
                                      

                                              Agora já não sinto meu corpo
                        que flutua no espaço livre de gravidade


            Ouço um testemunho clamoroso na noite
                                                  que torna a todos em vítimas sensíveis
                                 de um crime bastante atroz
                                                            e eu como um albatroz
                                            abro meus braços para uma tempestade

quarta-feira, agosto 13

Hidden - o segundo álbum do These New Puritans

Seguindo a cena do ressurgimento do synthpop, o grupo de Essex, Inglaterra These New Puritans tem mostrado um som mesclado com sintetizadores e elementos de art rock e pós-punk, tendo influências musicais do The Fall e Public Image Ltd. Formado em 2005 por Jack Barnett (vocal, guitarra, teclados), Thomas Hein (baixo, sampler), Sophie Sleigh-Johnson (teclados) e George Barnett (bateria), irmão gêmeo de Jack, o grupo inglês estreou em 2008 com o álbum Beat Pyramid. O segundo trabalho, Hidden, foi lançado em 2010 com críticas favoráveis nos meios da imprensa especializada. Enfatizando a música eletrônica, o These New Puritans (TNP) cresceu a atmosfera sonora a partir de outros instrumentos de orquestra e sintetizadores mais atuantes no excelente Hidden.
Hidden inicia com "Time Xone" em uma seção melodiosa de metais. Os sintetizadores rugem em "We Want War" acompanhados com ritmos sincopados da percussão e com direito a um riscado de faca sobre um amolador (esse som é recorrente durante todo o álbum). Essa canção nos atinge de tal maneira que somos tomados por um entusiasmo vivaz. Em seguida, "Three Thousand' surge com o toque de eletrônica a inundar a atmosfera. O vocal preciso de Jack Barnett encaixa-se harmoniosamente nesse canção obtusa. A jazzística "Hologram" tem um piano à la Thelonius Monk, enquanto "Attack Music" apresenta uma trompa entremeada ante a percussão massiva. Essa última canção tem fortes vestígios de hip hop. Na sequência, "Fire-Power" enfatiza o ritmo percussivo orientado por George Barnett, assim como na faixa seguinte "Orion". A instrumental "Canticle" abre alas para "Drum Courts - Where Corals Lie", na qual as batidas programadas parecem com um martelar constante. O arranjo orquestral dessa última faixa se confunde com os efeitos eletrônicos e ritmos tribais. O pop eletrônco de "White Chords" remete ao trabalho do Radiohead. Fechando as portas de Hidden, temos "5", uma faixa quase instrumental trazendo peças orquestrais utilizadas ao decorrer do álbum.
É importante enfatizar a parte percussiva trabalhada pelo TNP em Hidden. De fato, as batidas rítmicas alimentam a dinâmica do álbum, fomentando a cadência dançante das faixas. Muito mais importante contudo é o fato que o TNP tem evoluído sistematicamente em sua sonoridade. Verdade é que Jack Barnett e companhia cresceram musicalmente desde Beat Pyramid, originando um segundo álbum fabuloso, que eu considero um opus magnum da banda de Essex. É escutar para comprovar.
Vídeo

sábado, agosto 2

Abertura da caixa de Pandora já!



Desde o aumento das passagens de ônibus em 2,10 R$ (Dois Reais e Dez Centavos) para 2,40 (Dois Reais e Quarenta Centavos) no dia 8 de junho (domingo) de 2014 concedido pela Prefeitura de São Luís com a conivência da Justiça do “Trabalho” e da Promotoria do Consumidor através da promotora Lítia Cavalcanti.

Tem causado indignação dos usuários que dependem do transporte coletivo diariamente apesar da inercia dos mesmos, exceto pouquíssimos estudantes que manifestaram, mas são imensa minoria diante da grande massa que assistiu como espectador os acontecimentos durante toda a greve, que em vez de lutar para não haver aumento, estavam torcendo pra que a greve acabasse e aceitando passivamente esse aumento absurdo e vergonhoso diante do caos do sistema de transporte coletivo.

Eu sempre apoio a greve dos motoristas e cobradores, entretanto, sei que a maioria dessas greves é realizada em conluio com a classe empresarial do setor, essa última que duraram 15 dias ficou bastante evidente, porque a pressão vinha dos dois lados, o reajuste salarial e no outro lado o aumento da tarifa que tá defasado e que não tem como garantir o aumento para os seus funcionários, e tem acumulado dividas que tem afetado os lucros.

Essa bomba como sempre, cai na mão da prefeitura que tem o dilema de conceder o aumento ou não e mediar a negociação das categorias representado por sindicatos, o sindicato dos rodoviários que representa os trabalhadores e o SET (Sindicato das Empresas de Transportes Coletivo de Passageiros de São Luís) que representa os patrões.
Nessa vez a prefeitura da capital maranhense não deve ser a única responsável por esse aumento vergonhoso e abusivo, a Justiça do Trabalho e a promotora Lítia Cavalcante também têm parcelas de responsabilidade e de culpa porque toda greve realizada, a justiça do trabalho sempre se coloca contra os trabalhadores impondo duras e pesadas multas e a promotora que atua na defesa do consumidor se colocou contra a greve e foi conivente com o aumento da tarifa.

O passageiro/usuário/consumidor passa todos os dias por sufoco devido a precariedade do sistema de transporte coletivo, ficam horas esperando no ponto de ônibus, e quando chega e faz o sinal as vezes não para, quando adentra no coletivo, é superlotado ficando a maioria das vezes em pé sofrendo com o empurra-empurra, esfrega-esfrega e pisa-pisa no pé que acaba gerando confusões e brigas, sem contar que fica horas preso num trânsito completamente engarrafado/congestionado e com o calor infernal no interior do ônibus sem as mínimas condições de conforto com uma frota as vezes totalmente precária.

Como pode a Promotoria do Consumidor do consumidor permitir o aumento se não há qualidade do sistema de transporte e todos os dias é denunciado na imprensa falada e escrita à precariedade e o sofrimento dos passageiros nos coletivos todos os dias na cidade?

Este aumento demonstra o poder econômico e político dos empresários principalmente durante as eleições municipais em que os mesmos são financiadores das campanhas nos candidatos com grande probabilidade de ser eleito.

Poder este que é visível por aqueles que acompanham a política e sabe da problemática de todo o sistema de transporte coletivo, que renovar a frota não é o bastante e nem mesmo resolverá por completo o problema, Prefeitura de São Luís, Câmara Municipal e SMTT (Secretaria Municipal de Transito e Transporte) ora são reféns, omissas e cúmplices pelo descaso do transporte público.

Já está mais que na hora a prefeitura através da SMTT e a câmara municipal revelarem a população o faturamento que as empresas de ônibus tem anualmente e pressionar o SET a fazer o mesmo, é inadmissível o aumento da passagem sem haver melhorias no setor para os passageiros.

O argumento dos empresários de que não tem dinheiro pra conceder o aumento aos trabalhadores, que estão endividados e tendo altas despesas para manter a frota circulando não cola mais, esse discurso está manjado há muito tempo.

São Paulo, capital do estado de São Paulo tem a maior frota de ônibus do Brasil, anualmente as empresas faturam bilhões e recebem subsídios tanto governo e da prefeitura para manter, renovar, qualificar e melhorar o sistema de transporte, que cada dia piora por inúmeros fatores, sendo que uma delas é o contingente populacional que os ônibus não conseguem atender a demanda.

Se juntar a capital paulista com as grandes cidades do interior como Campinas, Santos, Ribeirão Preto, Guarulhos, Santo André, São Bernardo do Campo, Osasco, São Caetano do Sul e muitas outras, cidades estas que já passaram de 1 milhão e 500 mil habitantes, se pegarmos todas as empresas de ônibus que exploram o serviço de transporte coletivo nessas cidades, e calcular o faturamento anual, com certeza passará de 10 bilhões de reais.

Quanto aqui em São Luís, cidade que tem pouco mais de 1 milhão de habitantes, se juntar todas as empresas que prestam o serviço de transporte coletivo na cidade e calcular o faturamento anual, obviamente não chegará a 1 bilhão, mas poderá chegar na casa dos 100 milhões, com os ônibus constantemente lotados bem mais que as latas de sardinha, o faturamento dos empresários é alto com a prestação de serviço precaríssimo.

Como eu não sei exatamente o faturamento destes empresários, já está na hora do poder público e o sindicato patronal revelar para a população os dados do faturamento anual, para aí sim concluir se é plausível ou não esse aumento, porque a prefeitura mais uma vez vai garantir a renovação da frota com aquisição novos ônibus até o fim do ano que vem, ou seja, os empresários praticamente não gastarão nenhum centavo do seu bolso na compra de novos ônibus.

E para melhorar pro lado deles, a prefeitura acabou com a domingueira, ou seja, aos domingos o valor da tarifa era cobrado pela metade do que era cobrado de segunda a sábado de forma integral, garantindo assim o lucro dos patrões, o “aumento” para os trabalhadores e deixando o passageiro padecer com os serviços prestados que pioram gradativamente todos os dias e sem sinal de melhora.

Até quando isso será resolvido? O que tá se esperando? É esperar que aconteça uma tragédia? Quando vejo aqui nas cidades do Maranhão que eu percorro a trabalho, as caminhonetes D-20 pau de arara transportando pessoas, pias, vasos sanitários, botijão de gás, sacos de arroz, milho e feijão e outros qualquer mercadoria e ficam tudo num só lugar, na carroceria, eu me lembro logo dos ônibus de São Luís que ficam constantemente lotados, em que as pessoas ficam amontoados um em cima da outra. Acho absurdo o transporte de pau de arara de maneira precária e rústica, mas não difere muito no transporte das grandes cidades, especialmente em São Luís. 

Portanto, eu exijo a abertura da caixa de pandora já no sistema de transporte da capital maranhense para saber verdadeiramente o porquê da precariedade do transporte público prestado pelos empresários na cidade, e entender se o aumento é justificável ou não e saber os caminhos e as diretrizes em busca de melhorias.