domingo, agosto 14

Enquanto não houver o respeito e aceitar as pessoas como elas são, haverá todas as formas de violência: a física, moral e simbólica.

Dia 12 de junho se comemorou o dia dos namorados aqui no Brasil, enquanto nos EUA teve mais um atentado terrorista, e foi um atentado bem direcionado e de cunho do extremo ódio movido por convicções religiosas, que o alvo foram os gays, lésbicas e o público GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) em geral, numa boate em Orlando – EUA que o público frequentava.

Nos EUA já vive uma campanha política para presidente com o Donald Trump pelo partido republicano e Hilary Clinton pelo partido democrata, o primeiro prega o extremo ódio ao afirmar que vai expulsar os imigrantes ilegais principalmente os muçulmanos e latinos, ampliar os muros na fronteira entre os Estados Unidos e México.

O seu discurso xenófobo e segregacionista tem atraído os conservadores, que tem crescido muito no país nos últimos anos, em virtude das conquistas obtidas pelo público GLBT, dentre elas, o casamento civil do mesmo sexo e ainda a luta pelo direito de adotar crianças.

Essas conquistas têm causado ainda mais a ira dos conservadores e especialmente nos fundamentalistas religiosos de católicos e protestantes, e para acirrar ainda mais, os muçulmanos simpatizantes do estado islâmico também tem propagado terror pelo mundo em nome da sua religião.

A força religiosa tem causado ódio em razão da força dos movimentos GLBT que resultaram em conquistas em diversos países, como na Irlanda por exemplo, país considerado conservador marcado por vários conflitos entre católicos e protestantes ao longo dos séculos e até recentemente, mas em 2014 num plesbicito, a população aprovou o casamento civil do mesmo sexo, um marco no país que simbolizou a paz e o respeito, pois se achava que devido o conservadorismo, se achavam que o referido projeto de lei não seria aprovado no plesbicito.

A cada conquista obtida pelo movimento GLBT, aumenta a fúria dos fundamentalistas que lutam pela negação dos direitos em nome das suas religiões e crenças, Alemanha foi o primeiro país no mundo a reconhecer os transgeneros/transexuais como terceiro sexo, assegurando direitos a essa camada da sociedade que nasceram com problema genético em seu corpo e especialmente no seu órgão genital.

A eventual eleição do Donald Trump pode considerar um retrocesso no país, e os próprios americanos que tem o histórico de serem racistas e xenófobos, temem a sua eleição, os latinos e os homossexuais tem mais ainda a temer porque quem o apoia são os conservadores que lutam pela negação dos direitos.

EUA não é o único, enganam-se, porque no Brasil a realidade não é muito diferente, no congresso nacional com a bancada BBB (boi, bala e bíblia), termo denominado aos ruralistas, da segurança pública formado por policiais e delegados e evangélicos (neoinquisidores) respectivamente, lutam incessantemente para os interesses de suas categorias.

Com eles a bancada conservadora tem ganhado força nessa legislatura, tem lutado por negação de direitos, por serem contra o aborto mesmo em caso de estupro ou a mulher tiver a sua vida em risco durante a gravidez, são contra o casamento civil do mesmo, este aprovado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e ainda assim continuam de todas as formas para que essa lei seja anulada.

E são também contra as cotas sociais e raciais para ingressar nas universidades e concursos público com a falácia da meritocracia, querem por força retirar as poucas terras que restam aos povos indígenas e quilombolas, lutam incessantemente contra os direitos e em detrimento do interesse de suas classes.

O golpista, bandido e corrupto do Michel Temer com a sua quadrilha do Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Democratas (DEM) e os demais partidos de aluguel desde que assumiram o governo interinamente vem desmantelando aos poucos as conquistas obtidas nos últimos anos.

A bancada conservadora com apoio evidente do BBB, principalmente dos neoinquisidores afastaram a presidente Dilma Rousseff, golpe disfarçado de Impeachment, ficaram felizes com o fim dos ministérios que se tornaram secretarias vinculada ao ministério da justiça, e principalmente do ministério da cultura que depois foi recriado.

Se a presidente Dilma Rousseff for afastada em definitivo, e infelizmente o golpe está selado no senado com a cumplicidade do STF, as primeiras ações realizadas pelo governo Temer será anular o casamento civil do mesmo sexo, acabar com as cotas sociais e raciais e todas as políticas que visam inclusão, combater a violência e a desigualdade social e racial no país.

No discurso de posse, Temer falou que o Brasil voltaria as suas tradições e citou a religião até mesmo no conceito em latim que significa religare, que significa vinculo/tradição para o país retomar o seu caminho, tanto que o slogan do seu governo é Ordem e Progresso, ordem na base e progresso por meta, assim fizeram os positivistas quando recriaram a bandeira do Brasil após o fim da monarquia e a implantação da república.

Por trás desse discurso significa que o país em seu governo dará as costas as muitas conquistas sociais, especialmente aos pobres, negros, mulheres e homossexuais, será um governo que atenderá especificamente a uma única classe, as elites, seja a política e econômica (agrária, industrial, comercial e banqueiros).

A prova se dá pela nomeação da Fátima Pelaes, ex-deputada federal pelo estado do Amapá do mesmo partido (PMDB) e evangélica, a secretaria especial de política para as mulheres, ela é contra o aborto até mesmo em caso de estupro, Pastor Everaldo, candidato à presidência em 2014, foi nomeado para presidência da FUNAI (Fundação Nacional do Indio).

Nada contra os evangélicos e muito menos os quem tem e pregam a sua fé, mas torna-se inconcebível a nomeação destes para os cargos que visa combater a violência e garantir direitos, que garantia a Fátima Pelaes lutará por direito das mulheres que vivem em situação de violência, machismo e segregação e a sua religião não influir em suas ações? Que garantias o Pastor Everaldo lutará por direitos dos indígenas respeitando as suas tradições e costumes principalmente no que diz respeito a religião e a sua religião influenciará em suas ações no cargo?

Seria concebível colocar um ateu para ser padre ou pastor de uma igreja? Obviamente que não, infelizmente o poder e a influência dos neoinquisidores não visam em melhorar a vida das pessoas, e sim unicamente em defender os seus interesses e submeter o estado e a sociedade em geral nos seus moldes.

Mais do que nunca estão rasgando o estado laico, e virão com mais força e violência contra as religiões de matrizes africana e combater as tradições e costumes indígenas ao tomar as poucas terras que restam, a negação dos direitos e impor as pessoas a um modo e padrão de vida e de crença estão levando as essas catástrofes como ocorreu nos Estados Unidos.

No Brasil milhares de homossexuais morrem todos os anos motivado por preconceito e ódio, a bancada conservadora e reacionária com a liderança dos neoinquisidores são contra a criminalização da homofobia, negam e ignoram a existência dessas mortes como homicídio qualquer.

O afastamento da presidente faz parte do interesse dos conservadores e neoinquisidores, pois ela defende a descriminalização do aborto, casamento civil do mesmo sexo, criminalização da homofobia e as cotas sociais e raciais que foram lutas dos movimentos sociais ao longo dos anos.

Enquanto não houver o respeito e aceitar as pessoas como elas são, haverá todas as formas de violência: a física, moral e simbólica.

A negação dos direitos e lutar para negar os direitos de outrem, representa tudo que foi colocado anteriormente, porque não existe democracia sem direitos e nem direitos sem democracia.


Porque o papel da democracia e do estado democrático de direito é assegurar o direito de todos, mesmo em situação conflitante, e deve prevalecer sempre o direito, a liberdade e a democracia, não podendo ficar à margem e nem marginalizado da sociedade com os seus direitos negados e privados de liberdade.

terça-feira, março 22

O golpe vai mesmo consolidar?



Nestes últimos dias temos vistos uma crise política no Brasil ter se agravado cada vez mais, há tempos eu venho afirmando que o golpe vem rondando o Brasil e toda a América Latina consequentemente, escrevi artigos afirmando isso, tivemos um golpe em Honduras no ano de 2009 quando depuseram o presidente Manuel Zelaya, apesar deste querer alterar a constituição sem o devido apoio do parlamento e popular para candidatar se a mais um mandato.

No Paraguai o golpe foi mais evidente no ano de 2012, num Impecheament relâmpago que durou 36 horas em que o presidente Fernando Lugo foi desposto do poder sem direito a defesa e sequer a ampla defesa, e agora o golpe está concentrado aqui no Brasil, e o Impeachment está em curso para cassar a presidente Dilma Rousseff.

O que está por trás disso tudo não é apenas a Dilma Rousseff, seu governo que está fragilizado e o próprio Partido dos Trabalhadores (PT) que vem sendo alvo de demonização como nos velhos tempos da Guerra Fria e no combate ao comunismo em que a sede do partido em várias cidades do Brasil vem sendo alvo de ataques criminosos inclusive ao Instituto Lula, mas o Luís Inácio Lula da Silva, ex-presidente e recém-empossado para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil e fortíssimo candidato as eleições de 2018.

Querem de todas as formas destruir o seu poder e capital político, como fizeram no passado recente com o Getúlio Vargas e João Goulart, que o primeiro cometeu o suicídio para não ser deposto no poder e o segundo foi deposto por um golpe de estado orquestrado pelos militares com o apoio das elites, classe média, FIESP (Federação da Indústria do Estado de São Paulo), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) e outras entidades, ocorrido em 1954 e 1964 respectivamente.
Porque toda essa perseguição ao Lula? O seu governo é considerado o melhor na história recente do país, superando o próprio Getúlio Vargas, ele deixou a presidência em 2011 com 90% de aprovação. É inegável que o Lula governou com os ricos e para os ricos, mas em contrapartida, ele permitiu os pobres sonhar e realizar o sonho, sonho em ingressar a universidade seja pública ou privada, pelo ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), sistema de cotas sociais e raciais, Prouni (Programa Universidade Para Todos) e o FIES (Financiamento Estudantil ao Ensino Superior).

Ter o acesso aos financiamentos com juros mais baixos do mercado como o Programa “Minha Casa Minha Vida”, ao carro, materiais de construção, os eletrodomésticos e eletrônicos, viajar de avião, viajar para o exterior e ter o dinheiro na conta em poupança sem a necessidade de utilizar por longo tempo, para os pobres que tiveram ascensão social e outros que viviam na pobreza extrema significa muita coisa.

Sem contar a expansão e criação de novas universidades federais com novos cursos por esse Brasil afora que resultou no aumento significativo ao número de vagas, especialmente as cidades do interior, onde o estudante não precisará necessariamente estudar em capitais e grandes cidades, ficando longe das suas famílias e cidade de origem.

Nem estou citando o Bolsa Família, tão atacado por aqueles que nunca passaram fome e nem sabe o que é pobreza extrema, eu mesmo em muitas vezes na minha época de faculdade, classificava o programa como o bolsa esmola, e hoje mais uma vez peço desculpas, porque como professor e percorrendo esse imenso Maranhão e vendo de perto a pobreza, eu sei o quanto é necessário esse programa para muitas famílias.

Ainda mais em cidades maranhenses, o trabalho de carteira assinada é uma raridade e privilegio para os poucos trabalhadores que trabalham com garantia das leis trabalhistas, pois a exploração e baixíssimo salário bem abaixo do mínimo estipulado por lei, que é 870 reais (espero não estar enganado), o trabalhador contratado pelas prefeituras ou comércio, este último especialmente recebem em média 400 reais por mês, trabalhando o dia todo e maioria das vezes é humilhado pelo patrão que o trata como escravo ou agregado que estivesse precisando de caridade sua.

Eu falo com conhecimento de causa, pois eu tenho alunos que trabalham em comércio e ganham em torno de 500 reais, e os patrões colocam empecilhos para os mesmos continuarem os estudos na universidade para que se dediquem exclusivamente ao local em que trabalham, se não fosse a força de vontade e o meu incentivo, com certeza muitos acabariam desistindo.

Se você observar bem, a escravidão de fato não foi abolida, e as relações sociais e humanas são análogas ao período da escravidão, o que seria dessa gente se não existisse o bolsa família? O programa não erradicou a fome, mas tirou o Brasil no mapa da fome, de acordo com a Nações Unidas (ONU).

E com todos esses feitos, as classes dominantes com quem ele governou junto não quer o seu eventual retorno à presidência nas próximas eleições, se as elites foram beneficiadas em seu governo, porque não o querem de volta ao poder? Eu vou citar os três motivos primordiais do ódio dessa elite ao Luís Inácio Lula da Silva.

Primeiro, a elite não engole de ter sido obrigada em apoiar o Lula nas eleições de 2002, pois ela não tinha candidatos à altura, e o governo Fernando Henrique Cardoso do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) estava desgastado e com a popularidade baixíssima em virtude da sua política econômica neoliberal que aumentou e muito a desigualdade social e racial e a concentração de renda.

E vale ressaltar, não foi toda a elite que apoiou o Lula naquela eleição em que ele foi eleito, a prova disso é a elite paulista, que nunca o apoiou e não é à toa que o PSDB governa o estado de São Paulo há 22 anos, envolvidos em escândalos de corrupção inclusive no desvio de merenda escolar.

E mais uma prova para constatar, a FIESP (Federação da Indústria do Estado de São Paulo) apoia abertamente o processo de Impeachment da presidente Dilma Rouseff, essa entidade representa a elite paulista, especialmente a industrial, eles odeiam o PT e todo qualquer partido de esquerda, a esquerda nunca ganhou as eleições para o governo do estado de São Paulo, no qual eles são grandes financiadores de campanha para os seus candidatos, especialmente do PSDB.

Segundo, o Brasil oficialmente tem 516 anos de existência, sendo que a escravidão durou 4 séculos e foi abolida oficialmente nem faz um século e meio, como eu disse anteriormente e repito, as relações sociais e humanas no Brasil são análogas à escravidão, as elites acostumadas com os privilégios e exclusividades em detrimento da maioria que viveu por séculos e ainda vive na pobreza, exclusão e negação de direitos não engole a ideia de ver os pobres e negros ingressar as universidades, cursar especialmente os cursos de medicina e direito que são tradicionalmente os cursos elitistas e quase exclusivo a essa classe, negros nas universidades são minoria e nestes cursos citados são mais ainda a minoria.

A escravidão foi a base social, econômica e política, e não é toa que o Brasil ainda em pleno século XXI tem a maior concentração de renda do mundo e concentração fundiária, os pobres e negros são maioria dos dados negativos da exclusão social, são maioria dos analfabetos, são menos remunerados, mais explorados enquanto são maioria em população carcerária, vítima da violência urbana e policial em que maioria dos jovens de 15 a 30 anos são mortos por balas de revolver, a cada um negro na universidade, e em especial na medicina e/ou direito é uma afronta pra essa elite que teve os corredores, as salas e toda a universidade exclusiva somente para eles adquirirem o conhecimento.
As elites ainda não se acostumaram e muito menos ingeriram em ver os pobres e negros terem a ascensão social sem passar por eles através da benção e favores como ocorreu na colônia, império e até em passado recente, em que a “caridade” e troca de favores eram regras em troca da eterna obediência e gratidão.

Aeroportos num passado recente, eram exclusivos a eles e consequentemente os aviões, as elites não aceita em dividir o mesmo assento do avião com o pobre que está voando pela primeira vez ou bando de pobres lotarem os aeroportos, não aceita dividir os espaços que eram exclusivos para eles.

As classes dominantes querem colocar os pobres e negros no seu devido lugar, a senzala, e para ter ascensão social deve passar pela benção e troca de favores em troca da obediência e gratidão eterna, não é à toa que eles são contra as cotas sociais e raciais nas universidades e concursos público com a falácia da meritocracia, são contra a lei das domésticas que foi aprovada recentemente (Porque você acha os moradores dos condomínios nas capitas e grandes cidades que vivem em áreas mais cara e valorizadas que são as zonas sul em que muitos residem a beira da praia de frente para o mar ficam batendo as panelas em forma de protesto?), e contra a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) que existe há mais de meio século criado por Vargas.

Aí você vê a coincidência, Vargas foi perseguido por ter criado a CLT e ter dado benefícios trabalhistas e sociais aos trabalhadores que beneficiou diretamente os pobres e negros, o Lula está sendo perseguido por ter dado a oportunidade para o pobre e negro estudar e ter a ascensão social por próprio esforço.

Getúlio Vargas era acusado de corrupto, mas nunca foi de fato provado, e eu não estou o inocentando de não ter sido corrupto que fique bem claro, o que eu quero colocar é que a corrupção foi usada como pretexto para tirar do poder através do golpe. Assim como fizeram também com o João Goulart.

A pergunta que eu lhe faço, qual governo não é corrupto? As elites sempre se beneficiaram com a corrupção, e são justamente ela as corruptoras através de suas empresas as grandes financiadoras de campanhas eleitorais, tanto municipal, estadual e presidencial. São eles que corrompem os políticos, magistrados, funcionários do alto escalão e as instituições para atender os seus interesses.

E quem sofre com toda essa roubalheira é justamente a população, especialmente os pobres e negros que precisam do SUS (Sistema Único de Saúde) em hospitais que ficam em média duas horas para ser atendido, da educação pública que não é de qualidade, merenda escolar que não existe e quando há a comida é estragada e fora do prazo de validade, bairros dominados pela violência e criminalidade, em que não há o saneamento básico onde o esgoto corre a céu aberto.

Enquanto as elites moram em bairros nobres a beira da praia e usufrui do dinheiro roubado em iates, mansões, carrões, festas glamorosas com belas mulheres, sonegam os impostos para o estado e mandar maior parte do dinheiro na Suíça e paraíso fiscais sem fazer a declaração e a origem.

Terceiro, a origem social do Lula, ele ao contrário de todos os políticos que foram presidente da República Federativa do Brasil, ele veio de baixo, ou seja, veio da pobreza no agreste de Pernambuco em Garanhuns, de uma família numerosa em que a mãe teve uns 5 filhos, saiu de Pernambuco num caminhão pau de arara a São Paulo na busca por uma vida melhor como faz muitos nordestinos ainda criança, numa viagem cansativa e estradas sem asfalto na maior parte em que durou uma semana.

Lula tem uma história de vida que comove qualquer cidadão, especialmente este ao identificar a sua história com a dele, não é à toa que os nordestinos reconhecem o seu governo e o desenvolvimento que a região teve junto com a região norte, o que não ocorreu em governos anteriores e sofreu com o abandono enquanto as regiões centro-sul (centro-oeste, sudeste e sul) se desenvolveram ao longo destes anos, e são justamente o povo do centro-sul que profere o ódio aos nordestinos e nortistas, não querem o Lula eventualmente de volta a presidência.

Outro detalhe, o Lula se fez na política, no sindicato, nas ações em que comandou uma greve de operários nas montadoras de automóveis no estado de São Paulo, principalmente em São Bernardo do Campo em 1979, e foi preso por causa desses atos em plena ditadura militar.

Lula foi deputado federal, mas sem influencia daqueles que querem o derrubar e o governo Dilma, de origem pobre, operário/torneiro mecânico, não teve quem o colocasse de acordo com a tradição política brasileira.

Getúlio Vargas antes de ser presidente da república (1930-1945/1951-1954), foi ministro da fazenda no governo do Washington Luís (1926-1930), o seu irmão Protásio Vargas foi um importante político no Rio Grande do Sul, Pinheiro Machado, outro importante político gaúcho o revelou na política, o seu pai Manuel Vargas era general do exército, sua família tinha propriedade de fazendas no interior gaúcho com rebanho e além de tudo isso, Vargas era formado em direito.

E foi o Getúlio Vargas que projetou o João Goulart na política nacional ao nomeá-lo ministro do trabalho em seu governo, o Jango é gaúcho assim como Vargas na mesma cidade, São Borja, a sua família é proprietária de fazendas na cidade e região, e antes de ingressar na política local formou-se em direito.

Essa é a tradição política, é assim o Aécio Neves, ex-governador e atual senador pelo estado de Minas Gerais, neto do Tancredo Neves que foi ministro da justiça no governo Vargas, primeiro-ministro num curto regime parlamentarista em que o João Goulart era presidente, governador de Minas Gerais e presidente do Brasil eleito num colegiado. É assim com o Sarney Filho (filho do José Sarney ex-presidente da república), ACM Neto (neto do Antônio Carlos Magalhães que foi governador e senador da Bahia e ministro das comunicações no governo Sarney), Renan Filho (governador de Alagoas e filho do Renan Calheiros que é atual senador do mesmo estado e presidente do senado federal) ..
.
Quem está na política tem famílias, parentes e amigos para o ingressar na carreira e ocupar os cargos públicos e mandatos eletivos, no Brasil para ingressar na política deve pedir a benção e aceitar a troca de favores em troca da obediência e gratidão eterna.
Lula tem parentes na política? Ele nasceu num berço de ouro? Alguém pertencente a classe política o colocou na carreira política? Obviamente que não! Luís Inácio Lula da Silva se fez na política, construiu a sua própria trajetória que causa inveja a essa classe, ele pode ter pedido a benção a elite política e demais setores em troca do apoio a sua eleição em 2002, mas também a mesma elite foi obrigada a dar o braço a torcer porque não tinha candidatos para disputa-lo a altura no pleito, ou seja, ambos os lados cederam para atender os seus interesses, são regras do jogo na política, queiram ou não, gostem ou não.

Outro fator que mais incomoda as elites, é justamente o fato do Lula ser semianalfabeto, não ter ingressado a faculdade para obter o diploma de nível superior, especialmente direito, o mais requisitado para ingressar na carreira política.

E justamente o fato de ter estudado até a 5° série e feito somente o curso técnico no SENAI (Serviço Nacional da Indústria) para torneiro mecânico, foi o motivo principal para os seus adversários o atacarem nas eleições em que perdeu e o eleitorado nessa época não associava a ideia de aceitar um analfabeto governar o país.

Quando se tornou presidente, quebrou todos os protocolos, ritos e etiquetas que um presidente deve seguir, contrariando assessores, ministros e todos os seus aliados, para se eleger, teve que mudar o discurso, do Lula barbudo, temido por causa dos discursos radicais e acusado de expropriar a galinha do quintal do pobre morador caso fosse eleito, incorporou o Lula paz e amor com a barba aparada e mudado o visual, em que o terno e a gravata passaram ser regra, contudo, não mudou completamente a sua essência.

Me recordo quando era adolescente, o programa humorístico do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) “A praça é nossa” tinha um quadro do personagem que exaltava a figura do presidente da república (Fernando Henrique Cardoso na época) pelo fato dele falar seis idiomas, diplomado e por ter todas as credenciais de representar bem o Brasil, sendo o personagem um pobre miserável questionando o papel do presidente e outro humorista Marcelo de Nóbrega (filho do Carlos Alberto de Nóbrega e diretor do programa) é que estava defendendo o presidente e criticando o personagem que fazia o papel de pobre miserável na peça ao questionar, dando a entender que o mesmo devido a sua condição social, não tem legitimidade alguma de questionar o papel e a capacidade do presidente da república de governar o país.

Fernando Henrique Cardoso numa viagem oficial a Estados Unidos, a globo interrompeu a sua programação para transmitir ao vivo o encontro do Bill Clinton e FHC, presidentes dos EUA e do Brasil respectivamente, quando chegou a vez do Fernando Henrique pronunciar no encontro, ele falou em inglês ao longo do discurso.

O sujeito que mora no interior, analfabeto e vive da roça ao ouvir no rádio ou ver pela tv o discurso do presidente brasileiro, com certeza não entendeu coisa alguma e com sentimento de que não estava falando para o povo brasileiro e especialmente para ele, e sim para os que estavam presentes na Casa Branca em Washington – EUA e sabiam perfeitamente o que o presidente do Brasil estava falando e para quem.

Lula nas assembleias das Nações Unidas com os demais chefes de estado, falava o português para todos os brasileiros entenderem, principalmente um português regado a gírias, o mesmo sujeito que mora no interior, analfabeto e vive da roça ao ouvir no rádio ou ver pela tv o discurso do presidente brasileiro, ele com certeza entendeu bem o que ele disse e sentiu que a mensagem é para todos os brasileiros e para ele em especial, concordando ou não, ter gostado ou não a fala do presidente.

Foi assim quando o Lula fez a propaganda do Brasil no exterior ao convencer a FIFA (Federação Internacional de Futebol e Associações) que o país poderia sediar a copa do mundo de 2014, e o COI (Comitê Olímpico Internacional) para o Rio de Janeiro sediar as olimpíadas de 2016, uma linguagem fácil de ser entendido por todos, a globo transmitiu ao vivo a eleição das cidades-sede para as olimpíadas que será este ano, e o presidente falou ao vivo na emissora para todo o país.

Lula antes de assumir a presidência no primeiro mandato, na cerimônia de posse que receberia o diploma de presidente nas mãos do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ao receber o diploma, se emocionou ao lembrar por ter sido atacado, insultado e ofendido inúmeras vezes por seus adversários por não ter tido o diploma, para mim e aos demais que são formados, não deve significar nada, mas para um analfabeto ao ver um analfabeto receber o diploma de presidente do Brasil no mandato quadrienal emocionadamente, representa muita coisa, o sentimento de que todos podem um dia também se tornar presidente de uma nação.

Tudo isso que eu relatei, a história do Lula não pode e nem deve ser esquecido, ele é o primeiro presidente da história do Brasil, de origem pobre, operário e sem diploma de nível superior, e as elites não engolem de ter sido governado por um pé rapado.
Mas ele está envolvido nos escândalos de corrupção da lava jato apurado pelo ministério público federal e a polícia federal, não serei cínico de inocentar o Lula, se estiver realmente envolvido, que pague pelos seus crimes, mas na atual conjuntura vigente e o golpe em curso no Brasil, somente o Lula que corre o risco de ser julgado, condenado e preso.
Enquanto a classe política como um todo que a maioria está envolvido em todo o tipo e esfera de corrupção e principalmente a lava jato, estão isentos de ataques sistemático da imprensa principalmente capitaneada pela rede globo, e justamente essa classe política corrupta querem o Impeachment da presidente Dilma e pregam o fim da corrupção e a moralização da política. Coerência não?

Eduardo Cunha é presidente da câmara dos deputados, vai presidir o rito do processo do Impeachment com 65 deputados, dos 40 são acusados de terem recebido doações de empresas acusadas no desvio da Petrobras e citadas na operação lava jato. Que legitimidade tem o presidente da câmara de presidir a comissão de impedimento da presidente com os deputados denunciados? Ele é réu na lava jato, a sua residência oficial em Brasília e outros imóveis no Rio de Janeiro foram adentrados por agentes da polícia federal com mandado de busca e apreensão, não deveria ser afastado do cargo?

O Supremo Tribunal Federal (STF) até agora nada fez legalmente para destituir o Eduardo Cunha, sendo o mesmo STF que decidiu em sessão plenária incluí-lo como réu no inquérito na lava jato e outras denúncias de corrupção por ter mentido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras ao afirmar que não tinha contas no exterior, e o ministério público da Suíça afirma o contrário através de provas, contudo, ele continua no cargo de presidente da câmara e gerir o rito do Impeachment da presidente.

O Lula disse alguma mentira ao afirmar em conversa telefônica que o STF e demais instâncias como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) estariam acovardadas? Ele apenas falou a verdade e tenho certeza que muitos concordam com esse posicionamento.
A lava jato está desarticulando uma cadeia criminosa que envolve políticos, empresários, funcionários do alto escalão que ingressaram na Petrobras através do concurso público e no decorrer aceitaram as regras do jogo para ocupar os cargos importantes, executivos e empreiteiros, resumindo, os corruptos e corruptores estão numa mesma cela respondendo por seus crimes.

Mas a imprensa de forma tendenciosa e seletiva só mostra os escândalos do governo e abafando os da oposição e toda a classe política como um todo que está envolvida, não serei cínico em negar que o governo queira abafar a operação da polícia federal e ministério público, mas a oposição e toda a classe política também tem o interesse de abafar a operação.

Porque o STF arquivou as acusações envolvendo o Aécio Neves se ele é constantemente citado nas delações premiadas? A operação lava jato está respingando em toda a classe elitista, é por isso que eles querem derrubar o governo Dilma, desmoralizar o Lula politicamente e prender os que são do governo envolvidos com a corrupção, para em seguida barrar as investigações da operação.

Será que o Lula é tão poderoso assim para se tornar um chefe de uma facção e organização criminosa? Se for possível, vou passar a crer que no mundo do crime um ladrão de galinha pode se tornar um grande e poderoso chefe de uma organização, é a ascensão social no mundo do crime.

O Lula pode até ser o verdadeiro dono do tríplex e do sitio, presente de “amigo” é algo costumeiro no mundo político em troca de favores, ou você acha que os políticos e empresários compram a Ferrari, Lamborghini, BMW, Mercedes Benz, Iates, mansões e apartamentos a beira de praia somente com o suor do próprio trabalho?

Existem chefes e líderes de facções e organizações criminosas acima do Lula e do próprio PT, esse sistema criminoso que a operação lava jato está desarticulando, nunca na história do Brasil em cinco séculos, os escândalos de corrupção estão sendo investigados, nunca se viu a polícia federal e ministério público atuarem juntos e deflagrar operações ao longo desses 13 anos, desde a ascensão justamente do Lula e do PT, estes órgãos passaram a ter autonomia e respeito não apenas no governo como também da sociedade.

A constituição federal passou a ser de fato respeitado e cumprido de acordo com as leis vigentes, principalmente no combate a corrupção, além do golpe, eles querem acabar com a lava jato, porque se continuar, toda a classe política e as elites ficarão numa mesma cela pagando por seus crimes.

E para esse objetivo, está se abrindo um precedente perigosíssimo que já foi visto na história do Brasil recente, grampos e escutas telefônicas envolvendo a presidente da república que foram liberados para imprensa sem a autorização do STF, envolvendo pessoas do ex-presidente Lula que sequer estão sendo investigados por crime algum.

E para piorar o quadro, foi a condução coercitiva da polícia federal de levar o ex-presidente ao aeroporto de Guarulhos em São Paulo para prestar depoimento, sendo nas anteriores todas as convocações ele compareceu para depor espontaneamente, ou seja, não havia necessidade de condução coercitiva se o mesmo estava colaborando com as investigações, uma arbitrariedade sem precedentes, que foi visto justamente na ditadura militar.

Se fizeram tudo isso com o ex-presidente e envolvendo a presidente da república e pessoas que estão sequer sendo investigadas, o que será então com qualquer trabalhador envolvendo diretamente qualquer um de nós?

Outra ignorância que se vê nas redes sociais, é o argumento fajuto de que o Brasil está caminhando para o comunismo. Como, se o governo Lula e Dilma governa com os ricos e para os ricos? Ao longo do governo foram realizadas concessões em aeroportos, portos, estradas para a iniciativa privada no prazo contratual de 20 a 30 anos.
Um governo essencialmente socialista não faz acordo com empresas e ceder as suas empresas, operações e repartições nas mãos da iniciativa privada, o governo Lula e Dilma causou e ainda causa vários descontentamentos com os trabalhadores, que resultou em greves, protestos e paralisações. Você vai insistir na ignorância de afirmar que o governo é socialista?

Outra ignorância é comparar o Brasil a Cuba e Venezuela, é muito desconhecimento, desinformação e principalmente falta de leitura, pra começar, no governo Lula do auge da sua popularidade, o deputado federal Devanir Soares pelo PT (SP) criou o projeto de lei de sua autoria propondo a mudança da constituição federal para a presidência da república no cargo vigente quem a ocupar pudesse se candidatar ao 3° mandato.

O Lula em nenhum momento deu importância e o PT com certeza não quis levar a adiante por causar um desgaste político, e a oposição obviamente acusaria o governo e o partido de tramarem o golpe, que geraria uma crise sem precedentes no qual estamos passando nesse momento no nosso país.

Lula tinha popularidade, aliança fidedigna do próprio partido e de outros como o PC do B (Partido Comunista do Brasil), de acordo com as regras do jogo na política, poderia convencer os demais aliados de outros partidos na ideia do 3° mandato, como ocorreu na Venezuela e Bolívia, em que os presidentes Hugo Chávez e Evo Morales respectivamente tinha o amplo apoio popular nas ruas e ampla maioria no parlamento, o Luís Inácio Lula da Silva praticamente tinha as mesmas condições, mas abriu a mão da ideia junto com o partido.

O deputado Devanir Soares, companheiro de Lula desde os tempos das lutas sindicais e na fundação do PT, foi obrigado a abandonar o projeto de lei que sequer foi levado em plenário da câmara, portanto, acusar o Lula e o PT de golpe e comparar o Brasil a Cuba e Venezuela é ignorância, desconhecimento, desinformação e falta de leitura daqueles que ficam nas redes sociais fazendo essas alegações vazias, a constituição federal sempre foi respeitada, preservada e colocada em prática de acordo com o que está escrito.

Eu como historiador e formador de opinião, não irei repetir a história como fizeram com o Tiradentes, a revista Veja abertamente e de forma cínica prega a extinção do PT, como se somente o PT fosse corrupto, e os demais partidos são imunes da corrupção.
Não iremos culpar e responsabilizar um enquanto os outros demais também estão envolvidos tanto quanto, mas ficam protegidos de qualquer julgamento da sociedade e da mídia, não devemos ser favoráveis ao Impeachment, pois não há embasamento jurídico legal que sustente o pedido, a própria presidente não é ré da lava jato, como também o Lula não é réu no processo.

Não repetiremos a história do Brasil, que o Tiradentes pagou pelo crime cometido pelas elites que queriam romper com Portugal, e ele por ser pobre foi preso, condenado, enforcado e teve as partes do seu corpo exposto em praça pública para servir de exemplo, pois alguém tinha que pagar por ato de desobediência a coroa.

Enquanto a elite formada por estudantes vindos da Europa que traziam os ideais iluministas filhos dos senhores de escravos, senhores da terra, padres, comerciantes, profissionais liberais como advogados e médicos, estes foram perdoados e nem chegaram a ser presos, uns foram deportados para outras colônias de Portugal na África, mas nenhum foi enforcado.

O Joaquim Silvério dos Reis um dos envolvidos, aceitou a tão hoje falada delação premiada, delatou todos os envolvidos em troca da promoção do cargo público na colônia concedido pela coroa em nome da lealdade e colaboração em apurar as denúncias, e foi parar na capitania geral do Maranhão, e há estudiosos e pesquisadores que afirmam os seus restos mortais estarem sepultado na igreja de Santo Antônio em São Luís.

Não iremos permitir essa perseguição sistemática ao Lula e a presidente Dilma Rousseff, vamos lutar por nossos direitos constitucionais e garantir o nosso estado democrático e de direito, é a democracia e os nossos é que estão correndo o sério risco nesse momento, conquistas essas que foram conquistadas a duras penas, a custo de muitas vidas que foram ceifadas por quem lutou para nós poder usufruir.

Não ao golpe/Impeachment e sim a democracia!

domingo, março 20

ALY MURITIBA (2015) – PARA MINHA AMADA MORTA



Por Davi Galhardo

A estreia do primeiro longa metragem de ficção de Aly Muritiba, cineasta largamente premiado por trabalhos anteriores, é sem dúvidas ímpar. Para A Minha Amada Morta (105’) é um prato cheio para quem adora fazer uma leitura do cinema a partir da Psicanálise, para citarmos apenas um exemplo, das abordagens possíveis.

O fato é que desde o primeiro plano do filme somos inseridos numa atmosfera mórbida, onde Fernando (Fernando Alves Pinto) encontra-se deitado numa cama, aparentemente derrotado pela vida, pois, acabara de perder a sua esposa, que muito amou e com quem teve um lindo filho, o qual agora precisará cuidar quase sozinho.  Apesar dos pesares a rotina de Fernando precisava seguir: sua vida quase pacata em seu trabalho de fotógrafo da polícia local, lembrando-nos do mais pop texto de Shakespeare, o Menestrel: “Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma (...) Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte”. Fernando sente o cheiro da sua amada por cada canto da casa, sua ausência é uma constante presença, ele revira seus objetos em busca de memórias suas, até que encontra uma série de fitas VHS da falecida esposa. Uma das fitas em particular lhe chama a atenção, Fernando resolve tentar assisti-la, mas, a fita rompe e não funciona. É como se o destino lhe dissesse: - é melhor você não tomar ciência do que tem aí. Em outros termos, sabedoria não trás felicidade. E fora exatamente isso que aconteceu, quando enfim Fernando reconheceu o trágico momento na fita VHS, onde sua esposa lhe traía com um ilustre desconhecido, revirando toda a sua vida. A partir de então se segue uma busca desesperada para reconhecer o amante: visita motéis vagabundos por onde sua esposa andou, tenta checar algo que forneça uma pista com a família da falecida etc., até que graças ao seu emprego na polícia, consegue descobrir a identidade do homem que procura: Salvador (Lourinelson Vladimir). No entanto, este homem agora leva uma vida totalmente diferente da qual Fernando imaginara, pois, é um “irmão” numa igreja evangélica, que se dedica totalmente ao trabalho e a família. Fernando decide ingressar na mesma igreja, visando se aproximar de Salvador, chegando ao ponto de alugar a casa dos fundos do mesmo. Fernando começa a seguir a filha de Salvador e se torna amigo dela e de Raquel (a esposa de Salvador). Dentro da casa de seu arqui-inimigo, Fernando tem diversas oportunidades concretas de mata-lo: estamos diante de uma trama macabra, um jogo de aparências, onde Fernando é o único conhecedor da farsa real, em sua dimensão holística. Até que Fernando resolve mostrar a fita VHS para Raquel, transformando-se numa espécie de sádico, sedento por vingança.


A reta final do filme mostra Fernando e Salvador frente a frente com os fatos, num momento em que as aparências já se tornaram insustentáveis, em virtude do estranho comportamento do primeiro, e, graças a um incidente com o cão do último, que fora atropelado e precisava ser sacrificado, Salvador encontra a arma de Fernando, e finalmente lhe pergunta: - quem é você cara? E o expulsa de sua casa. Fernando retorna ao seu lar, e queima todos os pertences de sua falecida, com exceção de uma foto, que resolve enviar para Salvador, onde estava escrito: Ela tá morta. No entanto, Fernando estava finalmente pronto para voltar a viver. 

sexta-feira, março 18

WALTER CARVALHO (2015) - UM FILME DE CINEMA



Por Davi Galhardo

Existem três maneiras clássicas de se escrever um bom roteiro: o conflito do sujeito consigo mesmo, o sujeito em conflito com o outro sujeito e, o sujeito em conflito com o mundo.  Três formas distintas é bem verdade, que, no entanto preservam uma ideia central, ou seja, a ideia de conflito. Dito isto, seria possível rastrearmos este traço no novo documentário de Walter Carvalho? Nossa sugestão é afirmativa.

Em Um Filme de Cinema o cineasta Paraibano apresenta a relação conflituosa da arte cinematográfica consigo mesma. O título denuncia e oculta o desenrolar do trabalho em questão. O que observamos desde o primeiro plano, que traz uma citação do Filósofo Jean-Paul Sartre, é a forma como o cinema entra silenciosamente nas nossas vidas, e, na maioria dos casos nunca mais decide sair. O ponto de partida da película de Carvalho é o Cine Continental, localizado no Sertão da Paraíba, a partir do qual surge a metáfora da aparente decadência do cinema contemporâneo. Grandes realizadores da sétima arte, como Hector Babenco, Julio Bressane, Andrew Wajda, Vilmos Zsigmond, Ruy Guerra, Ken Loach, Béla Tarr, Gus Van Sant dentre outros, oferecem suas perspectivas sobre o fazer cinematográfico. Alguns decidem começar a pensar um filme pelo fim, outros pela trilha sonora que dá a atmosfera ao trabalho etc. De onde se extrai a tese de que o cinema faz como que Tempo e Espaço conseguem dialogar de uma forma não convencional com aquilo que chamamos de Real. Ou seja, o cinema brinca com o tempo, copia, recorta, apaga, em suma: faz a decupagem da existência. No entanto, segundo o desenrolar do filme o cinema não é filosofia, não tem um compromisso direto com a verdade, embora seja sempre capaz de nos apresentar verdades eternas e imutáveis – a partir de sua própria linguagem é claro. Destarte, em Um Filme de Cinema os planos longos são considerados mais democráticos, as ações rítmicas são ideais, imagem e movimento se contrapõem dialeticamente à imagem e tempo etc. (Categorias ilustradas por filmes de Giuseppe Tornatore, Jean-Luc Godard dentre outros).


Por fim, liberdade de criação e mercado são posicionados de forma contrária. Uma querela com a qual a maioria das plateias já está minimamente habituada. Quem faz o filme? A câmera é neutra? O cinema tem poder? São as questões secundárias que emanam da linha em ziguezague surgida a partir da questão: o que é o cinema? Seja lá qual for a resposta definitiva, o fato é que apesar das dificuldades ele continua vivo e dando o que falar, como ilustra a sessão de projeção no cinema no sertão paraibano que fecha o filme de Carvalho.

O filme será exibido no Maranhão na Tela !

terça-feira, janeiro 19

Três É Demais: Leonard Cohen

Por Oluap Said

"Por favor, deixe-me na tempestade adentrar"
(Leonard Cohen)
Por que um poeta e escritor com livros de poemas e romances publicados decidiu seguir uma carreira na música? Leonard Norman Cohen, canadense nascido em Montreal, quis antes de mais nada atingir novos horizontes e buscar novos desafios. Com voz anasalada e poder poético impressionante, Leonard Cohen adentrou na carreira musical como um fenômeno raro em 1967. Por si só o ano de 1967 foi deveras fantástico, como atesta o número impressionante de álbuns que foram lançados, por exemplo, Velvet Underground e The Doors estrearam nesse ano. O mundo da música folk, antes de 1967, já tinha sofrido uma revolução quando Bob Dylan apareceu em cena. Uma outra revolução aconteceu quando o cantor e compositor Leonard Cohen apresentou seu álbum de estreia para o mundo. O catálogo de canções nesse álbum de estreia a explorar cirurgicamente as relações humanas, destilando toda uma gama de sentimentos, foi de um assombro sem precedentes na história da música. Em verdade, o bardo canadense trouxe sua experiência literária para compor canções estilisticamente sublimes acompanhadas por seu violão influenciado na música flamenca. Mas, o que impressionou na época foram suas letras poéticas! A abordagem lírica de Cohen fascinou - e ainda fascinam - inúmeros compositores e amantes da música. Tanto esmero na construção das letras, só podia ser tarefa de um artesão das palavras como Cohen. Com mais de 30 anos na época, Cohen largou o sucesso como escritor e mergulhou de cabeça na música folk. O compositor de "Suzanne" foi descoberto por John Hammond (o mesmo que descobriu Dylan) quando se apresentava no festival folk de Newport. Antes disso, Judy Collins havia gravado duas canções de sua autoria. Imediatamente, Cohen assinou contrato com a Columbia Records, uniu-se ao produtor John Simon para a gravação do seu primeiro álbum, seguido por mais dois discos fabulosos, que serão tema do presente texto.
O primeiro disco do poeta canadense, Songs of Leonard Cohen, foi lançando em dezembro de 1967. A abertura do disco fica por conta de "Suzanne" - clássico absoluto de Cohen -, que hipnotiza qualquer ouvinte. Cohen compôs a canção tendo como musa a amiga Suzanne Verdal, por quem ele sentia um amor platônico. O dedilhar límpido de Cohen e o backing vocal feminimo dão um sabor especial à melodia de "Suzanne".  Logo em seguida, vem a suprema "The Master Song" que trata sobre um triângulo amoroso na ótica religiosa. É uma das peças mais apreciadas do bardo canadense. A seguir, "Winter Lady" mostra o dedilhar singelo de Leonard quando canta sobre um amor andarilho. Na canção seguinte, "The Stranger Song" revela todo o poder poético de Cohen em construir uma letra sobre relacionamentos amorosos. Cohen é mestre supremo em tecer letras que esfacelam minuciosamente relacionamentos amorosos. A seguir, tem-se "Sister Of Mercy", que Leonard compôs inspirada em duas garotas que conheceu, num período de solidão, quando excursionava. Dois pontos a destacar nessa canção, além da letra poética, são o canto aveludado e o dedilhar sublime ao violão de Cohen. Na grandiosa "So Long, Marianne", Cohen descortina seu relacionamento com a ex-esposa Marianne Jensen com os versos maliciosos: "You held on to me like I was a crucifix \ As we went kneeling through the dark" (Você se segurava a mim como se eu fosse um crucifixo \ Enquanto ficávamos ajoelhados no escuro). Na verdade, a letra é um retrato sagaz do casamento que entrou em decadência.  Seguramente, "Hey, That's No Way To Say Goodbye" é uma das canções mais perfeitas de Cohen. A poesia lírica dessa canção é de uma força descomunal. No disco póstumo "O Último Solo" de Renato Russo, há a gravação interessante de "Hey, That's No Way To Say Goodbye". Sem demora, a melodia cativante de "Stories of The Street" soma-se à letra de temática místico-social, enquanto o violão de estilo flamenco soa firme em "Teachers". Para finalizar o álbum, a enigmática "One of Us Cannot Be Wrong", num dedilhar bastante singelo, assemelha-se com as canções sem refrão de Bob Dylan. Por fim, Songs Of Leonard Cohen é uma obra-prima do folk, assim como The Freewheelin' Bob Dylan.
Abrindo o segundo álbum, Songs From A Room,  de Leonard Cohen, a fabulosa "Bird On The Wire" - uma das melhores canções da carreira de Cohen - apresenta um arranjo primoroso, tendo inclusive uma harpa de boca ou harpa judaica (jew's harp), que aliás foi utilizada em várias canções do disco. Em seguida, o lado bíblico-religioso de Cohen vem à tona em "Story of Isaac" para contextualizar a história de Isaque com a Guerra do Vietnã, que vitimou inúmeros jovens soldados num sacrifício banal. A seguir, no arranjo da irregular "A Bunch Of Lonesome Heroes" há uma guitarra sussurrante, algo pouco comum nas músicas do canadense de família judaica. Logo depois, a balada, "The Partisan" - em homenagem à Resistência Francesa na Segunda Guerra Mundial - é dividida em duas partes: uma cantada em inglês e a outra em francês. A belíssima "Seems So Long Ago, Nancy" é um dos altos do álbum. A melodia lenta e melancólica cadencia o amor livre de Nancy. Logo depois, a harpa judaica surge novamente, desta vez, em "The Old Revolution", cuja letra traz belas imagens poéticas como: "The hand of your beggar is burdened down with money". Em "The Butcher", Cohen cita de maneira singela o uso de heroína nos versos, "Well, I found a silver needle \ I put it into my arm \ It did some good \ Did some harm" (Bem, encontrei uma agulha prateada \ Eu a apliquei em meu braço \ Ela fez algum benefício \ Fez algum prejuízo), ao passo que os versos diretos de "You Know Who I Am", (por exemplo, "Às vezes, necessito de você nua \ Às vezes, necessito de você selvagem"), mostram um Cohen mergulhado numa paixão mais carnal. Um dos destaques do disco, "Lady Midnight", apresenta um baixo bem marcante e um órgão suave. Fechando Songs From A Room em grande estilo, "Tonight Will Be Fine" reverbera um amor passado que ainda se faz presente dentro das noites do poeta. Por fim, os arranjos musicais de Songs From A Room foram mais simples do que os de Songs Of Leonard Cohen. Nota-se que os backing vocals femininos não predominaram como no disco anterior, talvez porque a produção tenha ficado por conta de Bob Johnston, que optou em cortar o coro feminino. O teor de crítica à sociedade, que privilegia a guerra e o caos, está presente em várias letras de Cohen neste disco. A dissecação das relações amorosas ainda foi pano de fundo em algumas letras, mas não tão atuante como nas letras do primeiro disco de Cohen.
O terceiro trabalho fonográfico, Songs of Love And Hate, de Leonard Cohen foi lançado em 1971. O título do álbum já dá um direcionamento temático para as letras, que abordam sobre relacionamentos amorosos à beira do abismo e no fio de uma navalha. A abertura do disco é realizada por "Avalanche", cuja letra é de uma beleza sem tamanho, beirando o desespero e o ódio. O vocal de Cohen e o arranjo simples dão um toque de beleza especial à canção.  Em seguida, o tom bíblico ecoa em "Last Year's Man", aguçando a melancolia latente da letra. A próxima faixa, "Dress Rehearsal Rag", narra a história lacerante de um homem derrotado, sem forças para seguir em frente. Logo em seguida, "Diamonds In The Mine" chega com seu pulso alegre e com um vocal bastante diferente de Cohen. Continuando as pérolas, um dos destaques do álbum, "Love Calls You By Your Name" é uma canção esperançosa sobre o amor e sobre amores passados. Certamente, uma das mais belas canções de Cohen, "Famous Blue Raincoat", tem a forma de uma carta supostamente enviada para um ex-amante de sua companheira. O dedilhar soberano e o backing vocal ao fundo são os pontos fortes nessa canção. Logo depois, "Sing Another Song, Boys" dá a impressão de ser uma faixa gravada ao vivo. Fechando o excelente álbum, "Joan Of Arc" é uma das mais impecáveis letras de Cohen, um verdadeiro poema, cuja introdução é recitada esplendidamente por Cohen. Neste terceiro trabalho, os arranjos musicais estão mais minimalistas do que nos dois discos anteriores. Além disso, o vocal emotivo de Cohen está mais elaborado e rebuscado, enquanto as letras atingiram um nível surpreendente dentro da música folk, apresentando crônicas de amores conflitantes e relações de almas atormentadas em busca de um abrigo na tempestade. Sem dúvida, Songs of Love And Hate no quesito letras é o melhor álbum de Leonard Cohen.
Indiscutivelmente, Leonard Cohen é um dos grandes poetas/letristas da música contemporânea. O zelo na elaboração das letras é um dos focos principais do bardo canadense e em segundo plano o encaixe das letras em suas belas melodias.  Vale ressaltar que a influência de Cohen no mundo do rock é inestimável. Compositores do quilate de Kurt Cobain, Bono, Jeff Buckley, Ian McCulloch e entre outros afirma(ra)m categoricamente que tiveram influência direta de Leonard Cohen.  Com apenas o primeiro álbum, Cohen já seria alçado ao patamar dos grandes compositores da música folk, mas com o lançamento dos dois discos seguintes confirmou-se a grandeza excepcional de Cohen como cantor e compositor. Sobretudo, os três álbuns iniciais de Cohen formam - ao meu ver - uma trilogia sobre relações amorosas. Ao ouvir Leonard Cohen, você se sente nos porões mais profundos da alma; ouvi-lo é um mergulho incessante nos mares da paixão, do amor e da solidão; ouvi-lo é uma jornada pelos desertos dos corações apaixonados e dilacerados. Ouvir Leonard Cohen é um exercício de nobreza.

Vídeo