domingo, novembro 16

Veleiro

                        velejo no teu corpo adormecido
                                                feito veleiro sem rumo
                                      em um mar tempestivo
                               com meus dedos escorrendo macios
             e apalpando zonas áridas de tua pele
                                  
                             uivo dentro desta noite
       meus segredos mais ocultos
                       e por um momento
            não desejo mais nada
                           apenas um deserto me comove
      
vejo navalhas afiadas
              cigarros apagados
                                      em cinzeiros rachados

                          e um livro de Anaïs Nin...

                                bebo vodka sem parar
                         e já me sinto entorpecido com teu cheiro
                                                     um blues cairia bem
                                  nesta hora tão taciturna
            
meus dedos seguem como serpentes
                              pelas tuas regiões mais abissais
         observo agora teu corpo 

               como um cadáver estendido
                          na cama banhada em desejos
                                   em desejos líquidos


Paço do Lumiar, 2008