sábado, setembro 27

Colagens

I

                                                             Meu ser em vertigem
                                                 já não suporta
                                                                 as ventanias que arrastam
                                                       árvores esculpidas em minha mente


II

                                            Quem sabe o passado não desmorone 
                       junto com as cartas empilhadas sobre a mesa
                                            Quem sabe a primavera não desmaie 
                       junto com as virgens em cio nas esquinas

III

                    O que restará das manhãs que faleceram antes do Sol vir à tona?
                    O que restará das flores que não germinaram e nem deram viço?
                    O que restará das estradas que teceram rumos perante a madrugada?
                    O que restará das estrelas que se apagaram em um céu em chamas?
                    O que restará das covas que não receberam os cadáveres esperados?
                    O que restará das noites que se perderam diante de uma lembrança?


IV

                                                            Meu ego ainda
                                                              se inflama
                                             com a chegada do amanhecer
                                                          e cada orvalho
                                                            me fascina
                                                         e cada espelho
                                                            me ensina
                                                 a afastar minhas dores 

V

                                                  Vou escrever um conto policial
                                  Vou rodar um filme noir
                                                  Vou ganhar um prêmio em Cannes
                                  Vou me tornar quem já fui
                                                  para ver se eu paro de sonhar


João Pessoa, Março 2011