sábado, setembro 20

Só o silêncio importa...

                     Só o silêncio importa
          o silêncio que se alastra no meu ser
    o silêncio mudo das horas
                                 que orvalha meus ouvidos
               

                           Por enquanto
                  o silêncio vegetativo me basta
                                    na esquina do esquecimento
                              na floresta do engano
           

                                      Ó silêncio bruto
                                   quero apenas calar
                                        não me ouvir
                                    nem me entender
                                não consentirei vozes
                       a murmurar nas horas cegas
                             e nem permitirei
               que despertem gemidos no escuro 


                             Pois só o silêncio importa
                   o silêncio dos sinos rachados
          o silêncio do vazio das salas
                                          que se perde nos sofás


                              Com certeza
                                   em uma noite lânguida 
                                       almejo somente o silêncio das catedrais
                   o silêncio morto dos cemitérios
                                 o silêncio que ecoa
                                           nos cânions adormecidos
                                               ou
                                o silêncio que escorre
                                                       pelo ralo do infinito


João Pessoa, Abril 2010