domingo, agosto 17

Albatroz

                         Gemidos quentes
                                   nos meus ouvidos
                despertam uma pantera lívida   
                                              germinam sensações selvagens
                          e dissipam minhas dores mais ínfimas
           

                    Diante do espelho manchado
                                     vejo movimentos performáticos
                           passo a passo na escuridão
                                                                 que oculta desejos e cinzeiros
A porta cerrada
                                A boca molhada
                                                                  Uma vagina desperta
                um instinto inesperado
                                                     que libera forte prazer
                            tão jactante como um vulcão
                                                       recém-adormecido de uma cama rochosa
                                      

                                              Agora já não sinto meu corpo
                        que flutua no espaço livre de gravidade


            Ouço um testemunho clamoroso na noite
                                                  que torna a todos em vítimas sensíveis
                                 de um crime bastante atroz
                                                            e eu como um albatroz
                                            abro meus braços para uma tempestade