quinta-feira, abril 24

Nas Entranhas do Medo: Apologia a H. P. Lovecraft

Por Paulo Dias

        O escritor Howard Phillips Lovecraft inicia "O Horror Sobrenatural na Literatura" com: "a emoção mais forte e mais antiga do homem é o medo, e a espécie mais forte e mais antiga de medo é o medo do desconhecido". Esta frase exemplifica, em parte, uma característica inerente dos contos fantásticos de Lovecraft, carregados com a presença desse medo do desconhecido e com grande carga de imaginação. Apesar de não ter publicado nenhum livro em vida, Lovecraft publicou inúmeros contos de terror e de natureza sobrenatural em revistas literárias. Extremamente influenciado por Edgar Allan Poe, Lovecraft é um dos precursores da ficção científica (vide "Entre as Paredes de Eryx").

       H. P. Lovecraft nasceu no ano de 1890 em Providence, Rhode Island nos Estados Unidos. Sua infância foi atribulada desde a morte precoce do pai. Uma influência especial e derradeira em sua vida literária foi seu avô materno, que o apresentou clássicos da literatura como a "Odisséia" e a "Ilíada". Como uma criança reclusa e precoce, já cultivava a escrita na idade tenra, escrevendo poemas e recitando-os para os familiares. No entanto, frequentava a escola esporadicamente devido aos problemas de saúde, que se intensificaram com a morte do avô. A partir desse evento, passou a viver em extrema reclusão. Anos mais tarde, foi recusado pela Brown University, que ajudou muito agravar seu estado de saúde. Devido aos seus contatos literários que mantinha mediante cartas, o jovem escritor interessou-se em publicar suas histórias fantásticas.
        Indiscutivelmente, Lovecraft foi um dos maiores escritores de literatura fantástica. Interessado em Ciências - principalmente Astronomia - e em Ocultismo, o escritor de "O Caso de Charles Dexter Ward" permeou seus contos com seres fantásticos (originados dos tempos mais remotos da humanidade) e com personagens à beira do delírio e da loucura. Como epígrafe do conto "O Horror em Red Hook", a frase do escritor Arthur Machen - "Existem tantos sacramentos do Mal como do Bem ao nosso redor, e vivemos e nos movemos, a meu ver, num mundo desconhecido, um lugar onde existem cavernas e sombras e habitantes na penumbra. É possível que o homem às vezes possa voltar atrás no caminho da evolução, e acredito que um conhecimento terrível ainda não está morto" - atesta a própria identidade dos principais contos de Lovecraft.
      Embora não tenha sido muito cultuado em vida, foi reconhecido após sua morte em 1937 como um grande escritor do gênero conto, sendo considerado por Stephen King como uma influência dilacerante em seu trabalho, e também sendo bastante propalado entre os roqueiros da década de 1970. Especificamente, a letra da canção "Behind the walls of sleep" do Black Sabath é inspirada em um conto lovecraftiano. Com efeito, um dos contos mais cultuados de Lovecraft é "O Chamado de Cthulhu" - belo exemplo de como explorar o medo do desconhecido - inspirando um famoso RPG na década de 1980. O grande escritor argentino Jorge Luis Borges dedicou, à memória de Lovecraft, o conto "There are more things" pertencente ao "O Livro de Areia".

        Há que se salientar a influência latente do autor de "O Mistério de Marie Rogêt" nos escritos seminais de Lovecraft. Inclusive, há um capítulo devotado exclusivamente para o autor de "O Relato de Arthur Gordon Pym" em "O Horror Sobrenatural na Literatura". Em certo sentido, os contos de Poe motivaram o jovem Lovecraft nos primeiros esboços literários, tal que Poe foi um agente catalisador no ser solitário e recluso que vivia com a mãe, as tias e avô materno em Providence. Desnecessário dizer que Lovecraft preferia a companhia de livros do que de amigos na infância. Mas, foi graças aos amigos literatos e fãs de sua obra, que após sua morte fundaram a editora Arkham House e divulgaram seu grandioso trabalho, que Lovecraft se transformou em um dos autores mais lidos e cultuados da atualidade.