domingo, novembro 16

Veleiro

                        velejo no teu corpo adormecido
                                                feito veleiro sem rumo
                                      em um mar tempestivo
                               com meus dedos escorrendo macios
             e apalpando zonas áridas de tua pele
                                  
                             uivo dentro desta noite
       meus segredos mais ocultos
                       e por um momento
            não desejo mais nada
                           apenas um deserto me comove
      
vejo navalhas afiadas
              cigarros apagados
                                      em cinzeiros rachados

                          e um livro de Anaïs Nin...

                                bebo vodka sem parar
                         e já me sinto entorpecido com teu cheiro
                                                     um blues cairia bem
                                  nesta hora tão taciturna
            
meus dedos seguem como serpentes
                              pelas tuas regiões mais abissais
         observo agora teu corpo 

               como um cadáver estendido
                          na cama banhada em desejos
                                   em desejos líquidos


Paço do Lumiar, 2008

segunda-feira, novembro 3

Suave é a noite...

                              suave é a noite que chega
               para nos agasalhar
                         enquanto a ventania agita
                                os galhos das árvores chorosas

                     aprisionados nesta masmorra

         lamentamos nossos desejos
                                 tão singelos e levianos
                  que nos condicionam aos lençóis manchados

                         não espero uma cerimônia
        bastante ideal para sepultar
                      nossos instintos mais secretos
             neste quarto à meia-luz

                             agora da janela entreaberta
 vejo a lua em seu domínio
                iluminando as esquinas sujas
                                   onde transeuntes em conversas insensatas
                     digladiam-se mutuamente

                                a cama está em repouso
esperando os convivas
                          participarem de uma festa íntima
             na qual os travesseiros servem
                                           como testemunhas fiéis

                                               estou preparado para o ato
         e já me sinto por demais excitado
                        e depois do ato consumado
                                                      vou embora como um estranho
              levando minhas tristezas mais profundas


Paço do Lumiar, 2008