domingo, setembro 18

Peça de Igor Nascimento em Cartaz








Debaixo das covas, não importa qual hora do dia, sempre é escuro, sempre é noite. Lá o tempo é inacabável. É a eternidade das horas, infatigáveis e inimigas da vida, tão mortas como os cadáveres ali enterrados”

Procópio e Torquato, duas caveiras, esperam um dia, finalmente, virar pó. Enquanto isso não acontece, uma trama se desenrola. Um dente foi perdido numa rodada de porrinha, um dedo foi levado por um cachorro. Nesse ponto, o diálogo começa. As caveiras expõem suas angústias decorrentes do fato de “viver assim, desse jeito meio morto”. O debate se torna intenso. O embate se faz necessário. O que será delas duas, só o tempo, ironicamente, será capaz de dizer...  

O texto, de Igor Nascimento, mesmo autor de “De Assalto”, “Assassinato de Charllenne” e “As Três e Estações da Loucura”, segue a mesma linha absurda já característica do dramaturgo. Situações do quotidiano são ridicularizadas. O homem, representado através de seus não-personagens, se vê na luta constante contra as horas, a mecanização do pensamento e o dilema de deixar de existir para se tornar um objeto.

“O dedo por um dente”, em inglês, “A tooth for a fucking finger” é uma comédia de caráter altamente mórbido, de cunho pessimista e com uma tendência sutil para o niilismo. Mas isto não importa, o que vale é rir, pois o riso, de qualquer maneira, dilata o diafragma, libera serotonina e, dependendo da intensidade, ajuda a eliminar gases...

8 comentários:

. disse...

Senhores, desculpe está ausente do blog desde a reunião de sábado retrasado, mas eis o motivo: A PEÇA.

Espero todos os leitores e autores do ponto continuando nesta quinta, às 20:00, no teatro alcione nazareth

Até lá!!!

Anônimo disse...

Estaremos lá!

Desejo 'merda' e um bom espetáculo.



Alberto Júnior

. disse...

Pois é, meu querido, merde!

(embora tenhamos que desejar isso com um pouco de cuidado, pois a merda já rolou solta no Arthur Azevêdo)
que a merda seja apenas um desejo, e não, uma textura! Que fique no plano abstrato. Nada de físico que não seja o jogo dos atores



Igor

Anônimo disse...

Legal, farei um esforço para ir de máscara inclusive!! Merda pra vcs tbm!! rsrs

Natan Castro.

Anônimo disse...

Vem cá, pra nos, do pontocontinuando o ingreasso vai ser por 1 centavos? srsrsrr Brincadeira, viu .Gostei do tom q a peça vaiter niilista.Abraços! Cris

Anônimo disse...

tenho uma teoria aí que foi igor e seu bando que jogou merda no arthur azevedo.
penso que todos nós devemnmos está lá.
se tiver pipoca na porta é bom sinal,
vamos esta todos lá
se deus quiser

diego

. disse...

olha a cara de psicopata dos caras meu
hahahahahahahaha

Anônimo disse...

Para aumentar ainda mais o ego de quem já é perigosamente "seguro de si"...me parece genial, pena que perdi.