quarta-feira, maio 25

Campinas-SP


Morei numa república de estudantes em Campinas. Terra que, por exemplo, adotou o compositor maranhense Zeca Baleiro e onde em umas de suas cachoeiras o escritor paulista Marcelo Rubens Paiva fraturou uma vértebra cervical num pulo dando origem ao livro “Feliz Ano Velho” e além de antigos grandes barões cafeeiros como Barão Geraldo.  Fui pra lá tentar entrar num mestrado na Unicamp, uma das melhores universidades do Brasil segundo dizem por aí. Dividia a república com hermanos colombianos, paulistas e meu amigo maranhense do tempo de colegial. Mas não quero falar do individualismo e arrogância dos paulistas ou de sua fixação por trabalhar e seu medo de ser assaltados e os cafés expressos e sequestros relâmpagos ou jovens universitários cantando rock roll americano dentro de um pub ou então de ser uma cidade cosmopólita com belas praças arborizadas. Quero falar de outra coisa: um fato que me deixou literalmente mudo. Almoçava num restaurante tailandês quando um homem acompanhado de uma mulher e uma criança chegaram na entrada e começaram a pedir trocados para comer. Os reconheci imediatamente pelo acento “cantado” as roupas e a modéstia ao estender as mãos. Eram nordestinos como eu comedores de farinha de mandioca. Só que com outras pretensões naquelas bandas frias do sudeste, mas talvez com a mesma desilusão com sua terra natal. Dali não conseguir engolir mais nada e sair. Caminhões sujos parados do nordeste os trouxeram. Meninos eu vi! A diáspora ainda continua, né josé, pedro, carlos, joão, aurelio, purcina, mateus, eloy, marcio, cris, igor, licia, marcos, elizeu, fátima, maria, graça, paulo, helena...  ?
diego pires

6 comentários:

. disse...

MARAVILHOSO O MAL ESTAR QUE CONSEGUE TRADUZIR DAS GRANDES CIDADES, ALÉM DE REENCONTRAR NORDESTINOS, FAMINTOS DE COMIDA E DE MUNDO.

girl_extremo25 disse...

Zeca baleiro agora é burguÊs escolheu o lugar certo.

Anônimo disse...

Eu acho que voce tem dor de cotovelo.....se nao gosta da cidade, pq nao vai embora? Tchau!!!!

. disse...

Bambi acho que tu interpretrou errado esse texto... sorry

Anônimo disse...

Se a diáspora continua? Perdi de vista a fantasia que ela um dia cessará. Empreendimentos megalomaniacos estão sendo implementados...e depois? E depois que estiverem prontos? E depois que os tantos jovens hoje mão-de-obra barata do mercado se juntarem a tantos outros que estão por completar a maturidade legal, pra onde irão nesse nosso brasis? Possivelmente você,amigo angustiado, os encontrará na porta de um restaurante tailandês, chinês, italiano...

. disse...

Senhor anônimo, talvez seja um angustiado como eu, ve nordestino pedindo comido pra paulista é foda. tudo é política. tudo é politica meu caro.

diego.