segunda-feira, setembro 5

CRIME E PAUDURESCÊNCIA

 CAPÍTULOV

Nice to meet you, i'm your dick

DOUTOR – Para evitar qualquer mal estar, você fica em observação por, pelo menos, 24 horas... Até lá, veremos se há o surgimento de uma necrose... Esperamos que não... Mas, para o seu conforto, existem vários casos de câncer de pênis e muitos homens que vivem normalmente sem o órgão genital... Isso não é um problema. Quer dizer: claro que é. Mas imagine que sua sorte poderia ser bem pior: veja o que aconteceu com o velho Thompson...

Silêncio

Alguns médicos possuem uma frieza típica e procedimental. Tratam qualquer caso com a mesma entonação técnica, como se avaliassem o corpo do ser humano como uma espécie de motor avariado... Com a mesma retórica de um mecânico que recomenda a troca de óleo do veículo, o profissional embrutecido pelo exercício da medicina pode receitar um transplante de rim. É claro que cada profissão requer seus termos técnicos, mas, no final, tudo parece a mesma coisa: o paciente com retenção de líquido e o automóvel com o filtro de óleo entupido...

Apesar da notícia dada sem eufemismos, Wilson tinha um senso prático para qualquer situação. Lamentar seria uma perca de tempo. O drama, face à dura realidade, é algo descartável. Não ajuda em absolutamente nada. Não resolve crime algum. Apesar de saber que eventualmente poderia não mais ter o pênis – o que levaria maioria dos homens a pensar em suicídio -, o detetive tratou de dar prosseguimento ao que fazia quando, enfim, fora interrompido...

DOUTOR – Bem... O senhor está muito agitado... Vou pedir para que a enfermeira lhe dê um calmante. Talvez ele atenue o efeito dos estimulantes sexuais... Por enquanto fique aqui e lembre-se: deite-se de lado...

Retira-se.
           
A recomendação do médico não era arbitrária. Digamos que o membro de Will não era um dos mais discretos. Além do mais, túrgido como estava, parecia que a qualquer momento iria saltar do corpo. O Detetive o sentia latejar. Algo parecia que pulsava. A impressão é que havia um coração ali dentro...
 Sem mais detalhes.
Tudo que se pode falar a respeito é extremamente constrangedor e uma descrição um pouco mais detalhada pode comprometer a narração, desvirtuar a prosa e corromper os leitores mais curiosos...
Não percamos o foco...
 O fato é que, daquele jeito, ele não poderia ir para lugar algum. Ali, era como se tivesse um pedaço de ferro 50 soldado em sua virilha.  Estava preso, não por grades, mas por uma condição ultrajante. Sentia-se praticamente como Quasimodo, mas com a corcunda deslocada para outro lugar...
A tensão do detetive já estava prestes a chegar bem perto do desespero...

UMA VOZ EM OFF - Pelo visto, detetive, você não sabe o que fazer...
WILSON (Sobressalto) - Quem é você, filho da Puta!
VOZ - Ora quem? Você me conhece muito bem! Somos amigos de infância...
WILSON (irritado) – Quem está falando, merda!
VOZ - Se acalme, detetive. Não sou nenhum desconhecido. Na verdade sempre estive com você. Sempre te ajudei. O problema é que você trabalha demais... Ai, ai...
WILSON - Apresente-se, desgraçado!
VOZ - Pois não! Me chamo Mefisto! Queria poder apertar sua mão, mas neste momento estou incapacitado para tal.
WILSON - Mefisto?! Puta que pariu! Isso é uma piada? Apareça, miserável!
MEFISTO - Pare de me xingar ou, pelo menos, se o fizer, utilize o palavrão adequado...
WILSON (tentando ignorar a voz) Só posso estar ficando louco... (Procurando pelo quarto) Tenho que sair daqui... Onde colocaram minha calça, caralho!
MEFISTO - Assim está melhor, apesar de não me sentir muito a vontade... Prefiro Mefisto... Esse nome me lembra alguma coisa... Algo grandioso... Enfático... Mas não sei de onde vem...
WILSON – Fausto...
MEFISTO – Não, não! Me chamo Mefisto...
WILSON – (olhando debaixo da cama) Mefistófeles, da peça Fausto, de Goethe, idiota! É um livro, ou uma peça, os dois... Foda-se!
MEFISTO - E o que ele é? É o protagonista, por acaso?
WILSON – (abrindo as gavetas do armário) É uma espécie de demônio para quem Fausto vende a alma...
MEFISTO – Muito sugestivo... Tem um impacto maior... Muito mais incisivo. Mil vezes melhor que Joãozinho, Afonsinho, esses nomes ridículos que a gente vê por aí...
WILSON – Ora bolas! Para que diabos estou falando com você?! Isso deve ser alguma alucinação...
MEFISTO (como quem freia um cavalo) - Ô, Ô, Ô! Calma, detetive! Um pouco de diplomacia! Eu estou aqui. Sou uma parte de você. Sou seu amigo...
WILSON – Então se apresente de uma vez, ou se cale e pare de me aborrecer...
MEFISTO - Bem, vou me apresentar novamente... Desta vez, preste atenção: Meu nome é Mefisto... Eu sou o seu pau...

Silêncio.
Wilson explode em uma gargalhada

WILSON – Era só o que me faltava... Meu pau! (gargalha) Que ridículo...
MEFISTO – Ingratidão é uma coisa lastimável...
WILSON – Cale a boca! Aliás, por que ainda estou falando com você?
MEFISTO – Ora, duas cabeças pensam melhor do que uma...
WILSON – (falando consigo) Isso deve ser efeito do get him up!...
MEFISTO – Não me ignore, Will!
WILSON – (falando consigo) Deve ser algum efeito colateral, com certeza...
MEFISTO – Se tem uma coisa que me deixa com raiva é ficar falando sozinho...
WILSON – É apenas se concentrar que ela desaparece...
MEFISTO - (num rompante) - Detetive, me escute! EU SEI ONDE ESTÁ A SUA CALÇA! EU SEI COMO SAIR DAQUI SEM SER VISTO! VOCÊ QUER ME OUVIR AGORA OU NÃO?

Um silêncio hostil é jogado no ar

4 comentários:

. disse...

Senhores, um pouco desmotivado, mas aí vai o quinto capítulo.
Igor N.

. disse...

Mas, para não sair sem dar uma deixa, faço aqui um pequeno desabafo:

creio que o blog anda um pouco desmovimentado por esses dias, não falo do acesso (estes só aumentam) mas da falta de discussão. Só o debate pode criar uma dinâmica. O ponto-continuando, querendo ou não, é um ponto de encontro, e não pode ficar resumido à comentários breves, sem pronfundidade, e pouco críticos:
Nossa função aqui é colocar a cara a tapa e não estender a cabeça para que alguém nos acaricie a nuca...

(vou colocar o resto em outro comentário para ver se com três cometários o povo se atiça mais)

. disse...

POrtanto, isto vai aos escritores, e aos públicos, apenas os comentários (os bons - aqui não falo nem de elogio nem de crítica, mas de elaboração) podem fazer isso aqui girar, ser um lugar onde haja um efervecência de idéias, pois a cada vez que público, sinto um pouco do que provei com os meus primeiros blogs: o hemertismo das públicações, a dereriva deste mundo on-line no qual as redes sociais enburrecem a comunicação e a troca de idéias...

. disse...

é preciso sacudir... Ser saliente, provocar, ser tipo aqueles meninos que batem a campainha das casas e saem correndo em seguida: querendo ou não, eles fazem as pessoas sairem de casa e olharem a rua. Naquele peraltismo, com certeza, há um indício de revolução...

até breve
igor