sexta-feira, junho 3

Um câncer que cura

quando Arthur foi ao salão, o cabeleireiro achou um nódulo estranho sob seu cabelo, após alguns exames um diagnóstico... em poucos semanas, após o início do tratamento seu cabelo cairia. os amigos da turma em solidariedade rasparam suas cabeças.. impregnaram-se de humanidade, e renascendo dentro de si mesmos sentiram pela primeira vez as cores, os risos, os cheiros, as formas, e a vida. naquele dia enquanto os cabelos caiam amarelos, compridos, secos, brilhosos, negros e claros, eles também se curavam.

Elizeu Cardoso

3 comentários:

Anônimo disse...

será se a iminencia da morte nos une?

Anônimo disse...

eliseu voce sepre fala muito em "humanidade"... e neste texto vc colaca a doença grave como um ativador desta "humanidade"... mas minha duvida,
é o vc quer dizer com humanidade, é ser solidário com os outros?Pois no texto me parece que é isso.

Diego

ELIZEU CARDOSO disse...

SIM, SIM.O CÂNCER DE UM AMIGO OS FEZ VER COISAS INVISÍVEIS ATÉ AQUELE MOMENTO. HUMANIDADE É SE REENCONTRAR CONSIGO MESMO, EM TAMANHA DIMENSÃO, QUE TRANSBORDA AO MUNDO.