terça-feira, dezembro 30

Madrugada Cinza

                 Na tua carne plácida
                              encontro uma nação
                           na tua alma cálida
                    enfrento um inferno
                                 O que hei de encontrar na tua boca
                           escancarada esperando por um beijo ardente?

               Vejo que me perdi
         na malevolência de teus braços
                     no redemoinho torpe dos teus pensamentos
              agora sou um viajante de tua insensatez
                 herdeiro de tuas mágoas
     desperto sem qualquer garantia
                         de prazer e mansidão
       aguardo no teu colo
                           somente um furacão embriagado
                                                    que me consumirá sem pena

                                                         No teu ártico abraço
                             me envolvo num lençol
                                                  manchado por desejos imundos
                 já não espero sutilezas
                                  e nem uma taça de vinho
                                                  apenas espero um punhal
                      nesta madrugada tão cinza


                                                                                                João Pessoa, 2013

Nenhum comentário: