sábado, outubro 11

Joy


                                  entre sussurros e arrepios
            vou bordando minha noite
                                             e testemunhando tuas poses sensuais
                       no escuro deste quarto macilento

              enquanto teu perfume se alastra
                                pelo teu cárcere privado
                     minhas mãos percorrem incólumes tuas coxas
                                                 em direções aleatórias

                 (agora as páginas de um livro
                             agitam-se com o arrastar do vento
           que transborda da fresta da janela)
                        
                  por um momento            
                            teus olhos ímpios seguem minhas mãos
       quando trafego na beira do precipício
                                      para mergulhar sem asas
               em tua profundidade abrupta

                                em agonia

                                        garimpo sensações nada evasivas
                          pela tua pele adentro
                                           nos teus becos & cavernas
                                    e encontro prazeres ocultos
                            nesta escuridão ebúrnea
                                 
                    ó minha Joy Laurey
                                   faça-me um rei
             ao menos nesta noite estraçalhada
                                por metralhadoras de desejo


Nenhum comentário: