sexta-feira, setembro 12

River Phoenix Blues

  Tom: G
         
                 Vejo-o ao longe
                           caminhando ao vento
                       no frio cortante da noite
         como uma estrela alucinada
                                 explodindo em mil tons
                Divaga pelos campos
                            como uma borboleta multicor
                      voando de flor em flor
        perfumando o arco-íris
                               que brota no céu pálido
                 Parece com um garoto de programa
                                       na esquina maltrapilha
                      a esperar clientes imundos

                         Ele dorme em qualquer sonho de cais
         espera ao anoitecer uma droga a mais
                                                 há um vestígio de prazer
                     espalhado pela sala de estar
                                                  ele não desperta
                           apenas balbucia palavras vazias
               no apartamento que sangra

                       Vejo-o ao longe
                                 andando por desertos
                      em paisagens áridas
                                        anjo que não pode voar
                                mistura de silêncio e gemido
               nas estradas infinitas da dor
                               
Parece com um andarilho
                        deleitando-se nas praias brancas
                                             a tombar nas ondas
                                              
                            Ele age como um rebelde
        procurando o seio materno
                                     talvez procure um diamante fosco
                    no olhar de uma prostituta
                                        ou mesmo o sono leviano da morte

            Ó ave flamejante
                        voe pelas planícies formosas
              Busque o horizonte brusco
                                          longe do teu olhar
                            que se incendeia
         ao toque da madrugada


Nenhum comentário: