quarta-feira, setembro 3

Prisão

                               
                        Sigo volátil pelas tuas coxas
           como um vendaval incerto
                                 que percorre teus pelos em riste
                    à procura de sensações sublimes
                                               em uma noite sem luar

                   Já conheci abismos e pântanos
                                            agora ando por teus vales profundos
                         tateando pontos por demais sensíveis
                                    qual um andarilho sem lar
            ... Nos teus seios pontiagudos
                               atinjo cordilheiras inimagináveis

                       Perco-me incrédulo em labirintos
                                             e nem me importa a saída
                          nem Medusas & Minotauros
                                      neste instante só o êxtase me estimula

            Venero tuas ancas sensuais
                                  como a um deus antigo
      & imagino-te refém de meu gozo
                                         & também imagino-me réu em teu tribunal

               Já me considero condenado
                                       à prisão perpétua
                                                        nas masmorras de tua carne

Nenhum comentário: