quarta-feira, novembro 30

Vida Underground.

Anjos esquecidos
            Marginais & foras-da-lei
     Crianças cheiram cola nos becos da cidade
                Com prédios históricos em ruínas
          Lar para excluídos
   Um reggae ressoa pelas escadarias
              Junto com os tambores
                    Sigo pela meia-noite cadavérica
                   Bebendo qualquer veneno
        E observando lésbicas em seus trajes noturnos
                           Na esquina um mendigo viciado
            Pede uns trocados para uma pedra de crack
                          Vou de bar em bar
                Mas paro no “Senzala”
                            Com meus companheiros levianos
     Vejo prostitutas dançando
                                        Ao som de Raul Seixas
                     Almas entorpecidas
                                     Em mesas de bilhar
          Lembro agora de Allen Ginsberg
                               Declamando Howl para as estrelas
                Vida underground
                            Sou mais um pária sem lar
      Cansado de dormir em terminais de integração
                                  Esperando um ônibus para o inferno
Paulo Dias
(Paulo Dias, poeta e letrista maranhense, atualmente faz doutorado em física no estado da Paraiba, classificado entre os ganhadores para ser publicado no concurso literário nacional Poetize 2012, com o poema "Ode a Junqueira Freire.")

Nenhum comentário: